Podemos ajudar?

Seção “Live” na Frieze Art Fair

A seção Live da Frieze Art Fair, com curadoria de Diana Campbell, abrange Frieze Live instalações e performances, Frieze Film  e o novo ganhador do prêmio Frieze Artista.

O programa Frieze Film de 2018 trouxe temas que exploram recursos naturais, tecnológicos e meios psicológicos de comunicação e controle de massa. Lucy Raven criou um curta-metragem focado no material expelido pelo vulcão – um fluxo de cinzas fundidas também conhecido como concreto molhado, por sua capacidade de enterrar e imobilizar tudo em seu caminho inspirado pelo Erupção vulcânica de 1991 do Monte Pinatubo, nas Filipinas. O coletivo a Mensagem da Floresta do Grupo Otolith é uma ode a as Florestas do Sal de Bengala Ocidental, ou uma canção para as rochas-mãe, ou um encantamento inspirado pela visão de Rabindranath Tagore em Bengala Ocidental em 1921. Paul Pfeiffer traz o surgimento da religião de massa como seu ponto de partida, usando um combinação de imagens de vídeo originais e encontradas, para justapor as aparições recentes de Justin Bieber em notícias globais e mídias sociais em eventos de uma determinada igreja.

A crítica e curadora Diana Campbell fez a curadoria da seção Live com atividades e performances simultâneas na Frieze. Este ano a seleção de trabalhos para a Frieze Film são de temas que buscam decifrar sistemas que controlam e influenciam a disseminação de informações “A obra de Paul Pfeiffer por exemplo relaciona o que a indústria pop e as religiões fazem para atingir as grandes massas, Justin Bieber tem 100 milhões de seguidores no instagram, é muito poderoso” comenta Campbell.

 

Seção "Live" na Frieze Art Fair

 

O artista Alex Backzynski Jenkins ganhador do prêmio Frieze Art Fair apresentou diversas performances com uma prática coreográfica engajada com a racionalidade queer operando através do prazer de ser colocado em movimento, os performers “orbitam” na linguagem fazendo articulações que figuram o desejo.

Para Diana Campbell ele é um artista que possui os critérios e o profissionalismo ideais para estar naquele espaço “Ele criou um secreto espaço queer na feira no qual, gênero pode ser fluído, tempo pode ser fluído, ele toma uma das mais simples formas de pensar fora da caixa, criando novas formas de criar relações e estar no mundo” diz Campbell.

 

 

“Há um certo prazer extraordinário na oscilação do equilíbrio”, escreveu Theognis de Megara no século VI aC, descrevendo o desejo como uma questão de busca, não de captura. Traduzindo a frase, Anne Carson escreveu em 1986 Eros the Bittersweet que tais ações são características do gênero erótico grego: “dentro de cenas convencionais […] o que é retratado é o momento em que o amado vira e corre”.

O trecho acima faz parte da matéria “Choreography Describes Desire as Pursuit, Not Capture”  publicada no site da Frieze sobre a recente performance de Alex Backzynski Jenkins na Foksal Gallery Foundation em Varsóvia sobre os rituais dos encontros amorosos.

 

A artista Liz Glynn de Nova Iorque foi responsável por este espaço chamado “The Fear Index”, o índice do medo, um espaço de performance instantâneo. Uma placa indicava um número de whatsapp para as pessoas enviarem informações de compra e venda da feira, a artista  criava imediatamente a performance.

Ela pesquisou anteriormente com base em entrevistas com profissionais do setor financeiro, uma forma de transferir para performance a volatilidade e o risco inerentes do meio. Na ocasião da Frieze dançarinos se movem em resposta a vendas, dados e tráfego na feira, investigando a mercantilização da incerteza e o impulso para quantificar a emoção humana. Em parceria com a Fundação Delfina.

Liz Glynn é uma artista de Los Angeles que trabalha entre escultura e performance. Projetos solo recentes incluem A Arqueologia do Outro Futuro Possível atualmente em exibição no MASS MoCA; Casa Aberta, com o Public Art Fund, NYC, e The Myth of Singularity no LACMA, Los Angeles. Seu trabalho foi apresentado no The New Museum, NYC; o Barbican Centre, em Londres; o museu do martelo, Los Angeles; e o Petit Palais, Paris, entre outros.