Podemos ajudar?

No MAM Rio, coletiva ‘Composições para tempos insurgentes’ exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro abrirá, no dia 9 de outubro, a coletiva ‘Composições para tempos insurgentes’ curada por Beatriz Lemos, Keyna Eleison e Pablo Lafuente. A exposição combina projetos comissionados, desenvolvidos especificamente para a ocasião, com trabalhos dos acervos do museu e de outras coleções. Pensando o MAM Rio como um espaço expositivo ampliado, a mostra conecta seu interior e arquitetura modernista – desenhada por Affonso Eduardo Reidy – a todo seu entorno, que abrange o patrimônio biológico e humano do Parque do Aterro. A exposição é desenvolvida com o apoio do BTG Pactual.

Com cerca de cem obras, ‘Composições’ propõe uma reflexão sobre processos de articulação de vida, a partir de diferentes identidades, temas, formatos e linguagens. A curadoria selecionou trabalhos de Adriana Varejão, Alberta Wittle, Bo Zeng, Brígida Baltar, Castiel Vitorino Brasileiro, Celeida Tostes, Dalton Paula, Daniel Steegmann Mangrané, Franz Krajcberg, Manauara Clandestina, Naomi Rincón Gallardo, Negalê Jones, Nelson Felix, Regina Vater, Tunga e Wanda Pimentel, entre outras e outros.

Segundo Keyna Eleison, diretora artística do MAM Rio, os trabalhos são construídos a partir de saberes diversos, considerando tradições indígenas, afro-brasileiras e populares: “São obras de artistas que pensam a arte como saída de vida. Suas poéticas lidam com diferentes cosmovisões e promovem articulações sociais em coletivo, com reflexões sobre estruturas sustentáveis e de cuidado, a partir de noções de território”.

Para Eleison, a exposição se entende como um conjunto propositivo que visa imaginar perspectivas de mundo: “Essa curadoria é fonte de um desejo de criar possibilidades para o MAM Rio, considerando as áreas internas e externas que compõem o museu. Composições traz várias formas de imaginar soluções para a coletividade, incluindo outras exposições inseridas dentro da mesma coletiva. Uma conversa importante que se estabelece a partir dessa dinâmica é a celebração do centenário de Frans Krajcberg. Ao invés de realizarmos uma mostra individual para marcar a data, optamos por apresentar a obra dele nos mesmos espaços, em diálogo com trabalhos de outros artistas”, comenta a diretora.

A coletiva – que ocupa três espaços, incluindo o Salão Monumental – reúne obras de múltiplas dimensões que conectam as diversas áreas do museu.  De acordo com Keyna, toda a expografia foi pautada por relações triangulares na intenção de fugir de binarismos: “Há um pensamento tríptico que conduz diversas dinâmicas da mostra. Três é o número de Exu, bem como da Santíssima Trindade. É também o número de compassos que compõem as partituras dos ritmos que pressupõem um outro (ou outros) para serem dançados, como a valsa e a polca. Composições é um grande convite a imaginar coletivamente novas dinâmicas de vida”, afirma Keyna.

Com a participação dos artistas que integram a mostra e de mestras e mestres de diferentes áreas de saberes (como biólogos, mães de santo, cientistas, poetas, rabinos e arquitetos), a exposição vai gerar uma publicação dividida em três eixos: relações, estratégias e cosmologias.

Acompanham a coletiva mostras de filmes coordenadas pela Cinemateca do MAM, além de cursos e seminários organizados dentro do Bloco Escola, e residências artísticas que compartilharão temáticas e dinâmicas.

Ao longo dos quatros meses de exibição, alguns trabalhos serão ativados pela equipe de Educação e Participação do MAM Rio. É o caso da instalação Ânsia – Programa de estudos em naturezas monstruosas de Jonas Van, artista de Fortaleza (CE) que desenvolveu um espaço de convívio e conversas com mobiliário construído por ele e pela equipe de arquitetura  do museu, e Negalê Jones, artista de Magé (RJ), que realizará oficinas sonoras com plantas e elementos eletrônicos nas áreas externas dos Jardins do MAM.

 

No MAM Rio, coletiva 'Composições para tempos insurgentes' exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida
Caetano de Almeida, “Lusco-fusco”, Foto de Fabio Souza, Acervo MAM Rio

 

 

No MAM Rio, coletiva 'Composições para tempos insurgentes' exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida
Marta Neves, “Cenas para uma vida melhor”, Foto de Fabio Souza, Acervo MAM Rio

 

 

No MAM Rio, coletiva 'Composições para tempos insurgentes' exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida
Adriana Varejão, “Ruína Brasilis”, Coleção da artista

 

 

No MAM Rio, coletiva 'Composições para tempos insurgentes' exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida
Frans Krajcberg, “Sem título”, Foto de Fabio Souza, Cortesia Marcia Barrozo do Amaral Galeria de Arte

 

No MAM Rio, coletiva 'Composições para tempos insurgentes' exibe obras de artistas que imaginam diferentes dinâmicas de vida
Brígida Baltar, “Irmãs”, Foto de Claudia Tavares, Cortesia da artista e Nara Roesler

 

 

Sobre o MAM Rio

O MAM Rio é uma instituição cultural constituída como uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos, apoiada por pessoas físicas e por empresas, que tem atualmente como parceria estratégica o Instituto Cultural Vale e como patrocínio master o Grupo PetraGold, a Petrobras e a Ternium.

Desde janeiro de 2020, a nova gestão do MAM Rio deu início a um processo de profunda transformação institucional, envolvendo novas ideias, novos fluxos de trabalho e novas atitudes. As ações deste processo buscam coerência com o projeto original do museu, pautado pelo tripé arte-educação-cultura, um movimento de potencialização das ações já realizadas no museu, em consonância com seu histórico, e de acolhimento de todos que desfrutaram da efervescência dos diversos espaços do MAM, incluindo públicos que nunca visitaram a instituição.

 

 

 

 

 

Serviço:

 

Composições para tempos insurgentes

Abertura: 9 de outubro de 2021

Encerramento: 6 de fevereiro de 2022

 

MAM Rio

End: av. Infante Dom Henrique, 85

Aterro do Flamengo – Rio de Janeiro

Tel: (21) 3883-5600

https://www.mam.rio/

Instagram: @mam.rio

 

Horários:

Quintas e sextas, das 13h às 18h

Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

 

Ingressos:

Contribuição sugerida, com opção de acesso gratuito
Valores sugeridos:
Adultos: R$ 20

Crianças, estudantes e +60: R$ 10

Ingressos on-line: www.mam.rio/ingressos

 

AVISO: Conforme o Decreto Municipal nº 49.335, é obrigatória a apresentação do comprovante de vacinação contra a Covid-19 para entrada no MAM Rio.

 

Patrocinadores do MAM Rio

Parceria estratégica: Instituto Cultural Vale

Patrocínio master: Grupo PetraGold, Petrobras e Ternium