Podemos ajudar?

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta exposição ‘Samson Flexor: além do moderno’, com curadoria de Kiki Mazzucchelli

O Museu de Arte Moderna de São Paulo recebe exposição ‘Samson Flexor: além do moderno’, do dia 22 de janeiro até 26 de junho de 2022. Por meio da linguagem abstracionista e temas que transitam entre o etéreo e o corporal, o pintor é reconhecido como pioneiro da tendência abstrata no Brasil. Segundo a curadora Kiki Mazzucchelli, “é a primeira exposição que tem como foco o desenvolvimento da obra de Flexor a partir de 1957, quando passa a rejeitar as formas estáticas em pinturas onde gradualmente predominam o gesto, a opacidade e a transparência.”

A exposição é composta por quase uma centena de obras datadas entre os anos 1922 e 1970. São incluídas pinturas conhecidas na trajetória do artista como Aos pés da cruz (1948), onde os rostos das figuras aparecem em meio a linhas e cores superpostas; Figuras femininas (1951), que apresenta corpos como composições de formas geométricas; e, Diagonal sur le carré (1954), quando explora as diagonais cruzadas e cria um movimento acentuado pelos contrastes cromáticos.

Outro elemento indispensável para a percepção da obra de Flexor é sua estreita relação com a cidade de São Paulo. Nos anos 1950, sua pintura se aproxima da linguagem do Concretismo, referindo-se a um período de modernização industrial e crescimento urbano. Como anota o crítico Sérgio Milliet, “para Flexor, a orientação decisiva a favor da abstração não decorre apenas de um processo intelectual, mas também da contemplação cotidiana do espetáculo que oferece o desenvolvimento frenético de São Paulo, onde tudo tende para o futuro e clama seu desprezo pelo passado colonial.”

Quando apresentada sua fase tardia, marcada pelo golpe militar no Brasil e diagnóstico de uma doença terminal, são exibidas obras mais figurativas como a notável série Bípedes, exposta pela primeira vez na IX Bienal de São Paulo, em 1967. O impacto de tais acontecimentos é perceptível na produção de Flexor, que manifesta reflexões relativas a violência patriarcal e a fragilidade humana a partir de grandes figuras grotescas, retomando a temática do orgânico em contraste ao geométrico em um exercício de afastamento e oposição entre corpo e mente.

“O Museu de Arte Moderna de São Paulo, dando continuidade às reflexões que promoveu ao longo do ano de 2021 sobre o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, desdobra sua programação para além do modernismo, exibindo um artista que contribuiu para a consolidação da arte abstrata no Brasil na década de 1950”, comenta  Elizabeth Machado, presidente da Diretoria do MAM.

Segundo Cauê Alves, curador-chefe do MAM, “Flexor está diretamente ligado à história do MAM São Paulo, tendo participado da primeira exposição realizada pelo museu em 1949, Do Figurativismo ao Abstracionismo. Se na década de 1950 a abstração geométrica sobressai em sua produção, na década de 1960 as formas orgânicas aparecem como protagonistas.”

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta exposição 'Samson Flexor: além do moderno', com curadoria de Kiki Mazzucchelli
Samson Flexor | Tunel, 1958 | Galeria de Arte Frente

 

 

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta exposição 'Samson Flexor: além do moderno', com curadoria de Kiki Mazzucchelli
Samson Flexor | Sem Título, 1961| Galeria de Arte Frente

Sobre o artista

Samson Flexor desembarcou no Brasil no final da década de 1940 quando deixou a França na deflagração da Segunda Guerra Mundial. O pintor realizou sua primeira exposição em São Paulo em 1946 quando é naturalmente inserido na classe artística e participa de eventos que contribuíram para a disseminação do abstracionismo no Brasil. Entre eles, a exposição de Calder no Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro, a mostra de Max Bill no então recém-fundado Museu de Arte de São Paulo (Masp).  Também a exposição inaugural do Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1949, contexto em que é convidado e incentivado pelo crítico e diretor belga Leon Dégand a explorar os caminhos da abstração geométrica pura.

 

Sobre o MAM São Paulo

Fundado em 1948, o Museu de Arte Moderna de São Paulo é uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos. Sua coleção conta com mais de 5 mil obras produzidas pelos mais representativos nomes da arte moderna e contemporânea, principalmente brasileira. Tanto o acervo quanto as exposições privilegiam o experimentalismo, abrindo-se para a pluralidade da produção artística mundial e a diversidade de interesses das sociedades contemporâneas.

O Museu mantém uma ampla grade de atividades que inclui cursos, seminários, palestras, performances, espetáculos musicais, sessões de vídeo e práticas artísticas. O conteúdo das exposições e das atividades é acessível a todos os públicos por meio de visitas mediadas em libras, audiodescrição das obras e videoguias em Libras. O acervo de livros, periódicos, documentos e material audiovisual é formado por 65 mil títulos. O intercâmbio com bibliotecas de museus de vários países mantém o acervo vivo.

Localizado no Parque Ibirapuera, a mais importante área verde de São Paulo, o edifício do MAM foi adaptado por Lina Bo Bardi e conta, além das salas de exposição, com ateliê, biblioteca, auditório, restaurante e uma loja onde os visitantes encontram produtos de design, livros de arte e uma linha de objetos com a marca MAM. Os espaços do Museu se integram visualmente ao Jardim de Esculturas, projetado por Roberto Burle Marx para abrigar obras da coleção. Todas as dependências são acessíveis a visitantes com necessidades especiais.

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta exposição 'Samson Flexor: além do moderno', com curadoria de Kiki Mazzucchelli
Samson Flexor | Pássaros, 1968 | Galeria de Arte Frente

 

 

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta exposição 'Samson Flexor: além do moderno', com curadoria de Kiki Mazzucchelli
Vista da exposição ‘Samson Flexor: além do moderno’, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Fotos: Karina Bacci

 

 

Samson Flexor: além do moderno
Curadoria: Kiki Mazzuchelli

Período expositivo: De 22 de janeiro de 2022
Em cartaz até 26 de junho de 2022

Local: Museu de Arte Moderna de São Paulo

Endereço: Parque Ibirapuera (Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portões 1 e 3)

Horários: terça a domingo, das 10h às 18h (com a última entrada às 17h30)

Telefone: (11) 5085-1300

Ingresso: R$25,00. Gratuidade aos domingos. Agendamento prévio necessário.
Ingressos disponibilizados online em www.mam.org.br/ingresso
Meia-entrada para estudantes, com identificação; jovens de baixa renda e idosos (+60). Gratuidade para crianças menores de 10 anos; pessoas com deficiência e acompanhante; professores e diretores da rede pública estadual e municipal de SP, com identificação; sócios e alunos do MAM; funcionários das empresas parceiras e museus; membros do ICOM, AICA e ABCA, com identificação; funcionários da SPTuris e funcionários da Secretaria Municipal de Cultura.