Podemos ajudar?

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio ‘Histórias Brasileiras’, no MASP

Conceição Freitas da Silva (Povinho de Santiago, Rio Grande do Sul, 1914 – Campo Grande, Mato Grosso do Sul, 1984), mais conhecida como Conceição dos Bugres, é a artista escolhida para dar início ao biênio das Histórias brasileiras no MASP. A exposição ‘Conceição dos Bugres: tudo é da natureza do mundo começa em 14 de maio de 2021 e fica em cartaz até 30 de janeiro de 2022. Por causa da pandemia de covid-19, o museu precisou reorganizar sua grade de exposições. Neste ano, elas serão menores em número e maiores em duração. A partir do segundo semestre, essa mostra irá coincidir com as individuais de Erika Verzutti e Maria Martins (1894-1973), enfatizando o papel das mulheres para a linguagem escultórica no Brasil. 

A curadoria é de Amanda Carneiro, curadora assistente no museu, e Fernando Oliva, também curador da instituição. A mostra em questão se encaixa em um movimento que o MASP vem fazendo desde 2016 ao apresentar obras de artistas que ficaram fora das histórias oficiais da arte com o objetivo de reposicioná-los. É o caso, por exemplo, das exposições Agostinho Batista de Freitas (2016), Maria Auxiliadora: vida cotidiana, pintura e resistência (2018) e Djanira: a memória de seu povo (2019).

Conceição foi uma artista ímpar para a história da escultura no Brasil, reconhecida por sua produção dos chamados “bugres”, trabalhos geralmente esculpidos em madeira e cobertos por cera de abelha ou parafina e tinta, mas que também podem ser feitos em pedra sabão e arenito.

“Nesse país tão plural e diverso como é o Brasil, muitas histórias e agências ficaram à margem, por isso é tão fundamental iniciar esse ciclo de exposições com uma artista cuja produção tem um valor ainda a ser reconhecido e reposicionado na história da escultura em nosso país. Este projeto reafirma uma posição de Conceição dos Bugres como parte de um cenário amplo e inclusivo, ressaltando sua valiosa contribuição para a arte brasileira”, afirma Amanda Carneiro, curadora assistente no museu e curadora da exposição ao lado de Fernando Oliva, curador no MASP.

A exposição irá reunir 136 obras da artista, a maioria vinda de coleções particulares. Há pouquíssimas obras dela em acervos públicos, fato que também diz sobre esse processo de apagamento. Hoje, o trabalho dela se encontra apenas nas coleções do Museu Afro Brasil e do Itaú Cultural.

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Crédito: MASP/ divulgação – Os bugres em madeira – parecidos e diferentes ao mesmo tempo

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Sem título, década de 1960-1984 | Coleção Edmar Pinto da Costa, São Paulo | FOTO: Eduardo Ortega

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
A exposição irá reunir 136 obras da artista

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Crédito: MASP/ divulgação

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Crédito: MASP/ divulgação

 

Catálogo

A publicação bilíngue e ilustrada (R$ 149) terá 240 páginas e estará disponível para venda na inauguração da mostra, na loja física do MASP e pelo site do museu. O catálogo incluirá textos dos curadores, Amanda Carneiro e Fernando Oliva, Julia Bryan-Wilson, Fernanda Pitta, Isabella Amizo e Naine Terena. A ideia, com o livro, é contribuir para ampliar o conhecimento da biografia sobre a artista, ainda muito restrita, além de difundir sua obra e despertar novas leituras de seus trabalhos

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Amanda Carneiro

 

Mostra sobe Conceição dos Bugres dá início ao biênio 'Histórias Brasileiras', no MASP
Fernando Oliva

 

SERVIÇO

Conceição dos Bugres: tudo é da natureza do mundo
14 de maio a 30 de janeiro de 2022
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP
Avenida Paulista, 1578
Telefone: (11) 3149-5959
Horários: terça, das 10h às 18h, quarta a sexta, das 13h às 19h; sábado e domingo,
das 10h às 18h; fechado às segundas (horários sujeitos à alteração).
Entradas gratuitas todas as terças e nas primeiras quarta de cada mês