Podemos ajudar?

MAM Rio anuncia nova curadoria adjunta com Beatriz Lemos

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) anuncia publicamente nesta quarta-feira, 18 de novembro de 2020, a nova Curadoria Adjunta, selecionada através de chamada aberta em 22 de outubro.

 

A pesquisadora e curadora autônoma carioca Beatriz Lemos foi escolhida entre 139 candidatos de diversos estados do País. Com mestrado em História Social da Cultura pela PUC-RJ, é idealizadora e diretora da plataforma Lastro – Intercâmbios Livres em Arte. A partir de perspectivas anticoloniais, atua na condução e articulação de processos em rede e transdisciplinares de criação e aprendizagem. Em colaboração com o MAM Rio, Beatriz coordenou o projeto de catalogação dos acervos de obras e documentos de Márcia X (1959-2005), que culminou na exposição monográfica da artista, em 2013.

 

“Estou muito feliz por fazer parte dessa equipe que tanto admiro. Venho acompanhando de longe os movimentos de renovação impulsionados pela nova gestão do museu e com certeza esse é o lugar onde quero estar neste momento, somando na intenção de um projeto institucional que priorize a escuta e o diálogo. O MAM Rio ocupa uma posição fundamental no meu processo de formação como profissional da cultura e enquanto público de arte. Assim, é no campo do desejo que se dá esse meu retorno ao Rio de Janeiro, com a possibilidade de desenvolver um trabalho que significa operar mudanças em algumas estruturas de mundo que já não mais queremos”, celebra Lemos.

 

A Curadoria Adjunta se reporta diretamente à Diretoria Artística e implementa a visão artística e a missão do MAM Rio. É responsável pelo desenvolvimento dos projetos expositivos organizados pelo museu e pelas relações desses projetos com as atividades do Núcleo Artístico, incluindo pesquisa, conservação, educação e formação.

 

Para a diretora artística Keyna Eleison, o processo de chamada aberta para a vaga de Curadoria Adjunta foi uma grata experiência: “Tivemos a oportunidade de acessar várias pessoas com trajetórias impressionantes. A escolha de Beatriz Lemos nos enche de mais vontade de troca. É uma profissional de trajetória estruturada, de pesquisa nacional e internacional. Chega com uma inteligência para a construção do nosso projeto e posicionamento do MAM ainda mais rico”, comenta.

 

“O programa que queremos desenvolver precisa de um grupo de pessoas trabalhando juntas para abrir caminhos e repensar processos e ideias. Beatriz, em sua longa trajetória profissional, tem demonstrado capacidade para trabalhar em coletivo e para articular visões tradicionais com novos jeitos de fazer. Estamos muito felizes com sua chegada”, afirma Pablo Lafuente, diretor artístico do MAM Rio.

 

São atribuições do cargo de Curadoria Adjunta:

 

– Concepção e desenvolvimento de exposições junto à Direção Artística, assim como curadores convidados, artistas e outros agentes culturais;

– Gestão de projetos;

– Pesquisa de práticas artísticas e culturais sobre temáticas, áreas e linhas definidas com a Direção Artística;

– Escrita de ensaios curatoriais, projetos para editais e outros materiais textuais;

– Desenvolvimento e manutenção de canais de comunicação com as diversas gerências e equipes do museu;

– Contribuição aos diferentes programas do Núcleo Artístico, incluindo atividades de pesquisa, documentação, educação e formação;

– Contribuição à composição de orçamentos, mantendo sempre responsabilidade orçamentária e participando de atividades de captação, sob indicação da Direção Artística;

– Representação do museu nas plataformas, eventos e ocasiões que seja necessário, seguindo as políticas e protocolos indicados.

 

Para o diretor-executivo do MAM Rio, Fabio Szwarcwald, cabe ressaltar que a instituição não só adota a diversidade como parâmetro orientador das políticas de contratação, como vem democratizando estes processos: “No último dia 3 de maio, quando comemoramos os 72 anos do museu, lançamos uma chamada internacional sul-americana para o cargo de Direção Artística, que resultou na contratação dos atuais diretores. Em junho, o MAM também abriu convocatória para residentes e pesquisadores fluminenses, em parceria com o programa de residência artística internacional Capacete. E agora, anunciamos o resultado da chamada para curadoria adjunta. Ou seja, é possível realizar ações afirmativas em tempos de crise”, reflete Szwarcwald.

 

MAM Rio anuncia nova curadoria adjunta com Beatriz Lemos
Beatriz Lemos – Foto de Juno F. Braga

 

MAM Rio anuncia nova curadoria adjunta com Beatriz Lemos
Beatriz Lemos – foto Cecilia Floresta

 

 

Sobre Beatriz Lemos

 

Beatriz Lemos é pesquisadora e curadora autônoma, com mestrado em História Social da Cultura pela PUC-RJ. É idealizadora e diretora da plataforma Lastro – Intercâmbios Livres em Arte. A partir de perspectivas anticoloniais, atua na condução e articulação de processos em rede e transdisciplinares de criação e aprendizagem.

 

Em colaboração com o MAM Rio, coordenou o projeto de catalogação dos acervos de obras e documentos de Márcia X (1959-2005), que culminou, em 2013, na exposição monográfica da artista e o lançamento de seu catálogo raisonné. Entre 2015/2016, integrou o programa Curador Visitante da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (RJ), que se desenvolveu na criação das bases atuais da Biblioteca | Centro de Documentação e Pesquisa da EAV. No ano de 2015, realizou a etapa de pesquisa Lastro Centroamérica, viajando com artistas e curadores brasileiros, entre Panamá, Costa Rica, Guatemala e México, resultando exposição Lastro em campo: percursos ancestrais e cotidianos, no Sesc Consolação (SP) em 2016.

 

Fez parte das comissões curatoriais do 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil (2017) e da Bolsa Pampulha (2018/2019), e coordenou a residência artística Travessias Ocultas – Lastro Bolívia, que se desdobrou em uma exposição no Sesc Bom Retiro (SP, 2016/2017). Atualmente, integra a equipe curatorial da 3ª Frestas – Trienal de Artes (Sorocaba, SP).