Podemos ajudar?

Juliana Notari trata da violência no corpo da mulher com a escultura ‘Diva’

A artista visual pernambucana, Juliana Notari, divulgou sua mais recente obra na Usina de Arte, em Pernambuco. ‘Diva’ é uma escultura de 33 metros em forma de vulva, ou de uma ferida aberta ensanguentada. A obra foi construída em concreto armado e resina, como resultado de uma residência artística do Mamam (Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães).

“‘Diva’ é muito mais ferida que vulva. Como essa já é uma imagem que eu trabalho há um tempo, tive a ideia de colocar naquela grande ferida histórica, geográfica e social do local, que passa desde a escravidão à monocultura da cana. São muitas feridas. Isso abriu uma caixa de Pandora de discussões sobre gênero, classe social e raça. São feridas que o Brasil não curou”, conta a artista.

Entretanto a história de ‘Diva’ não começou recentemente. Em 1998, Juliana Notari encontrou 22 espéculos de metal em uma associação de venda de objetos usados. As ferramentas utilizadas por ginecologistas no exame de vulvas evocam lembranças intensas e nunca agradáveis.

Todos os espéculos estavam com ‘Dra. Diva’ gravado, sua antiga proprietária. A partir de 2003, Notari protagonizou a performance Dra. Diva, onde vestida de branco, abria buracos em paredes manchando todo o branco de vermelho.

Notari passou a expor feridas que não foram cicatrizadas, inclusive fazendo parte da 26ª Bienal de São Paulo com a obra ‘Ferida da Bienal’. Entretanto a maior ferida aberta da artista com certeza é a obra ‘Diva’.

 

Juliana Notari trata da violência no corpo da mulher com a escultura ‘Diva’
‘Diva’, a vulva em céu aberto no Pernambuco, de Juliana Notari (Foto: Reprodução / Instagram @juliana_notari)

 

Juliana Notari trata da violência no corpo da mulher com a escultura ‘Diva’
‘Diva’, a vulva em céu aberto no Pernambuco, de Juliana Notari (Foto: Reprodução / Instagram @juliana_notari)

 

Juliana Notari trata da violência no corpo da mulher com a escultura ‘Diva’
Performance de Dra Diva (Foto: Divulgação)

 

Juliana Notari trata da violência no corpo da mulher com a escultura ‘Diva’
Ferida da Bienal, de Juliana Notari (Foto: Divulgação)

 

 

Polêmica

A obra de Notari gerou polêmica no Brasil e no mundo, a repercussão foi divulgada por mídias internacionais como o The Guardian, CNN e NBC.

Segundo Laura Erber, professora visitante da Universidade de Copenhague e especialista em história da arte, ‘Diva’ incomodou não por representar um órgão sexual, mas por ser um órgão sexual feminino.

“Numa sociedade repleta de monumentos fálicos de todos os tipos e materiais, realmente é espantoso o incômodo causado por um monumento em forma de vagina. Ou seja, o problema não é o caráter sexual da instalação, mas o sexo específico aí representado”, conta.

 

Fonte: G1