Podemos ajudar?

EAV Parque Lage | Aula aberta do curso ‘Pedra e Ar

Ao longo de janeiro, fevereiro e março, a EAV Parque Lage vem oferecendo uma série de aulas abertas do curso ‘Pedra e Ar’, com transmissão ao vivo pelo Youtube .

A próxima aula será no dia 02 de fevereiro (terça-feira), de 10h às 12h, com participação da educadora e historiadora Pamela Carvalho, da crítica de arte Isabel Portella, do bailarino e pesquisador Marcelo Evelin, e da escritora Juliana Borges.

A aula, que integra o 2º ciclo do curso “Pedra e Ar”, vai abordar a temática “Corpos e corporeidades” trazendo questionamentos acerca dos regimes que objetificam e esvaziam a radical diversidade de corporeidades “do mundo”. Como produzir abordagens vivas e complexas para pensar e agir com nossos – e outros – corpos? Como são construídas, desconstruídas e fabuladas as corporeidades? Como implicam-se corpos, éticas, políticas e estéticas?

Sobre o curso

Em resposta à pandemia de Covid-19, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) atua de forma propositiva e realiza o curso on-line gratuito Pedra e Ar, voltado a artistas com poéticas em desenvolvimento. Com aulas até 26 de março, o programa visa fomentar e apoiar a produção artística e discursiva com caráter crítico, experimental e disruptivo por meio de encontros periódicos com artistas, teóricos e demais agentes do campo cultural.

A seleção, feita por meio de edital público nacional, divulgou no dia 10 de dezembro os 12 candidatos selecionados. Uma bolsa de permanência de R$ 600 mensais vai remunerar os participantes do curso, como alternativa à excludente economia material do mundo da arte.

Para a diretora da instituição, Yole Mendonça, esta iniciativa é uma ação contrária ao processo de precarização e vulnerabilidade dos alunos e artistas durante a pandemia: “Esta importante conquista atualiza a radicalidade da EAV, que responde ao grave problema econômico dos trabalhadores da cultura, criando possibilidades para que os artistas não só invistam em formação e ampliem repertório, mas, sobretudo, para que permaneçam sendo artistas”, afirma.

O título do programa toma por empréstimo o nome de um dos objetos relacionais criados pela artista Lygia Clark. “Pedra e Ar” (1966) é constituído de uma pedra — objeto, peso, matéria, signo e forma — e um saco plástico repleto de ar. O sentido desta prática é apreendido a partir do contato, da experiência, da relação e do encontro, num movimento de contração e expansão, próprio daquilo que respira e é vivo.

EAV Parque Lage | Aula aberta do curso 'Pedra e Ar
Marcelo Evelin
EAV Parque Lage | Aula aberta do curso 'Pedra e Ar
Pamela Carvalho

PAMELA CARVALHO

Educadora, Historiadora, Gestora cultural, comunicadora, pesquisadora ativista das relações raciais e de gênero e dos  direitos de populações de favelas.  É Mestra em Educação pelo PPGE/UFRJ onde defendeu a dissertação “Eu piso na Matamba”: Epistemologia jongueira e reeducação das relações raciais”. Foi bolsista do Projeto Personagens do Pós Abolição e faz parte do grupo de pesquisa Intelectuais Negras/UFRJ.  É coordenadora do eixo “Arte, Cultura, Memórias e Identidades” na Redes de Desenvolvimento da Maré.  É fundadora do Quilombo Etu, coletivo que trabalha a cultura popular a partir de uma perspectiva de educação antirracista. É moradora do Parque União (Conjunto de Favelas da Maré).

MARCELO EVELIN

Marcelo Evelin é bailarino, coreógrafo e pesquisador. Vive entre Teresina e Amsterdam e trabalha no Brasil, Japão e em vários países da Europa como artista independente à frente da Plataforma Demolition Incorporada, baseada no CAMPO, um espaço de Residência e Resistência das Artes Performáticas em Teresina, no Piauí. Seus espetáculos “De Repente Fica Tudo Preto de Gente”, “Batucada” e “A Invenção da Maldade” circulam atualmente por teatros e festivais do mundo. Ensina na Escola Superior de Artes de Amsterdam desde 1999 e vem criando projetos junto a Universidades e cursos de mestrado, entre eles ISAC (Bruxelas), Museu Reina Sofia (Madri), EXERCE (Montpellier) e CND (Paris). Em 2019 recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Piauí.

ISABEL PORTELLA

ISABEL SANSON PORTELLA é museóloga e crítica de arte, doutora e mestre em história e crítica da arte pela Escola de Belas-Artes/UFRJ, especialista em história da arte e arquitetura do Brasil pela PUC-Rio, coordenadora  e curadora da Galeria do Lago Arte Contemporânea do Museu da República, Rio de janeiro. Têm experiência na área de Artes e Museologia, com ênfase em História e Crítica da Arte, curadoria de exposições de Arte Contemporânea, conservação de acervos e acessibilidade em museus. Atualmente é museóloga do Museu da República, onde é curadora e coordenadora da Galeria do Lago, espaço destinado à montagem de exposições de Arte Contemporânea, além de pesquisar sobre as coleções da instituição. Também é Coordenadora do GT de Acessibilidade do Programa Nacional de Educação Museal. É membro do International Council of Museums – ICOM.

JULIANA BORGES

Juliana Borges é escritora e estuda Política Criminal. É consultora do Núcleo de Enfrentamento, monitoramento e memória de combate à violência da OAB-SP e conselheira da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas. Colunista da Revista Claudia. Autora dos livros “Encarceramento em massa” (Jandaíra) e “Prisões: espelhos de nós” (Todavia).