Podemos ajudar?

Abertura da exposição dos finalistas do Prêmio PIPA 2019

O Prêmio PIPA chega à sua décima edição em 2019. Uma data e um marco para serem celebrados. Além das comemorações, há novidades. A exposição dos finalistas acontece na Villa Aymoré, na Glória. Um novo espaço cultural da cidade onde o Instituto PIPA vem realizando exposições de acervo desde 2018 e comissionou um site specific permanente. A mostra, que ocupa toda a área de exposições, ocorre no período de 10 de agosto a 28 de setembro, apresentando trabalhos de Berna RealeCabeloGuerreiro do Divino Amor e Jaime Lauriano. Eles são os quatro finalistas que foram selecionados, pelo Conselho do Prêmio, entre os 67 artistas participantes desse ano.

Ao longo dessa década, o Prêmio manteve sua missão de apoiar e divulgar a arte contemporânea brasileira. Nesse período algumas alterações no formato original aconteceram, sempre em busca de aprimoramentos.

Para dar mais equidade e importância para os quatro finalistas, e visando contribuir para o desenvolvimento e realização de novas propostas de trabalho, cada um receberá uma doação do Instituto PIPA no valor de R$30mil. O vencedor receberá uma doação adicional de R$30mil para o desenvolvimento de um projeto de interesse do artista. O projeto poderá ser uma publicação, uma obra comissionada, uma viagem de pesquisa, uma residência artística, um site, uma exposição etc. Além disso, nesta nova edição, não há a categoria Voto Popular Exposição, porém o público poderá apontar sua preferência. O maior número de votos recebidos por um dos finalistas será um fator a ser ponderado, pelo Júri de Premiação, na escolha do vencedor.

Entre os finalistas, Berna Reale trabalha com instalações e performances. A artista, de Belém, PA, já foi finalista em 2013 e vencedora do PIPA Online 2012. Berna mistura questões de delito e conflitos sociais que testemunha como perita criminal do Centro de Perícias Científicas do Estado do Pará, desde 2010, com o trabalho artístico. Nas obras de Berna estão presentes problemáticas referentes a relações de poder e violência. A artista já expôs na Bienal de Veneza, 2015, na Beijing Photo Biennial, em 2018, na MAXXI (Itália), em 2017, entre outras.

Cabelo é poeta, músico e artista plástico e produz desenhos, pinturas, esculturas, canções, performances, vídeos e “instaurações” que podem ser apresentados tanto num museu quanto na rua. Segundo Luiz Camillo Osorio, curador do Instituto PIPA, “essas várias linhas de força de sua poética têm como foco um acontecimento expressivo sempre marcado pela presença contundente do corpo”. Atualmente, Cabelo – que nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, ES, mas mora desde a infância no Rio de Janeiro, RJ – desenvolve o projeto “Luz com Trevas”, um mix de exposição, show e um disco, linguagens que se misturam formando uma só obra. Ele já participou da X Documenta de Kassel, da 26ª e 33ª Bienal de São Paulo, 7ª Bienal do Mercosul, entre outras.

Guerreiro do Divino Amor é mestre em Arquitetura e constrói em seu trabalho um universo de ficção científica a partir de fragmentos de realidade, usando como meio de expressão principalmente técnicas audiovisuais, publicações e instalações. Sua pesquisa explora as “Superficções”, um atlas ficcional mundial que explora questões políticas, sociais e religiosas. O artista cria supostas teorias relacionadas à formação social e histórica de algumas cidades que interferem na construção do território e do imaginário coletivo. Guerreiro é descendente de pai suíço e mãe brasileira, nasceu emGenebra, na Suíça, mas vive e trabalha no Rio de Janeiro, RJ. O finalista já ganhou a Bolsa Pampulha 2019, e seus filmes já foram exibidos em mostras e festivais nacionais e internacionais em países como México, Cingapura, Japão, Filipinas, Espanha.

Jaime Lauriano busca, através de peças audiovisuais, objetos e textos críticos, recuperar a memória social, revisar e reelaborar a história coletiva brasileira. Nascido em São Paulo, SP, Lauriano parte da retratação de violentas relações mantidas entre instituições de poder e controle do Estado – como a polícia, os presídios, embaixadas, fronteiras – para evidenciar como sujeitos moldam os processos de subjetivação da sociedade. O artista já participou da Documenta12, na Alemanha, em 2007, do Festival Asim´Tria VI, El Cultural, no Peru e 2nd Biennale of Young Art Russia, em 2010.

Para a exposição do Prêmio PIPA 2019, os artistas apresentarão trabalhos em mídias diversas, alguns deles inéditos. Berna Reale, muito conhecida pelas suas performances, dessa vez irá montar uma instalação composta de pequenos caixões pintados. Cabelo irá adaptar sua instalação multimídia e multissensorial  “Luz com Trevas” ao espaço na Villa, levando tecidos, objetos, vídeo e música. Guerreiro do Divino Amor fará modificações no seu espaço expositivo de maneira a criar uma experiência imersiva num ambiente onde estarão projetados 3 vídeos diferentes da sua pesquisa das “Superficções” e Jaime Lauriano apresentará, além de esculturas e 3 colagens de uma pesquisa recente sobre as rotas de tráfico colonial, uma instalação pensada especificamente para a exposição dos finalistas.

 

SERVIÇO

Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2019

  • Aberturas: 10 de agosto de 2019 das 16h as 21h – Sábado
  • Exposição: 13 de agosto a 28 de setembro de 2019
  • Artistas: Berna Reale, Cabelo, Guerreiro do Divino AmorJaime Lauriano
  • Conversas: 16h – Berna Reale, 17h30 – Jaime Lauriano
  • Performance: 18h30 – Cabelo
  • Horário: De terça à sexta das 13h às 18h, sábados das 13h às 19h (fechado domingos e segundas)
  • Entrada: Franca
  • Classificação: Livre
  • Local: Villa Aymoré
  • Endereço: Ladeira da Glória, 26 – Glória, RJ
    (próximo a saída B do metrô da Glória, Valet Parking no local)