Podemos ajudar?

A Fortes D’Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual da artista Márcia Falcão, na Carpintaria

A Fortes D’Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual de Márcia Falcão de 06 de novembro a 29 de janeiro de 2022 na Carpintaria. Marcada pelo gesto e fisicalidade, sua pintura articula relações entre o corpo feminino e a cidade, partindo da experiência da própria artista na periferia do Rio de Janeiro, onde nasceu, vive e trabalha. O que se apresenta são composições figurativas numa palheta soturna pautada centralmente por marrons e vermelhos, que se adensam no emprego do óleo, da acrílica, do pastel oleoso e do carvão, com uma maior carga de impasto em regiões específicas. Carregadas de um ethos de violência, entre a gestualidade e a narrativa, surge uma pintura de forte impacto visual.

A exposição é acompanhada de um texto crítico do curador Raphael Fonseca.

Márcia Falcão (Rio de Janeiro, 1985) vive e trabalha no Rio de Janeiro. Entre suas principais exposições coletivas estão: Crônicas cariocas, MAR — Museu de Arte do Rio (Rio de Janeiro, 2021); Engraved into the body, Tanya Bonakdar Gallery (New York, 2021); Hábito/ Habitante, Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Rio de Janeiro, 2021); Ainda fazemos coisas em grupo, Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica (Rio de Janeiro, 2020); 12 Métodos de ser chegar a lugar algum, Paço Imperial (Rio de Janeiro, 2019); e Mostra EAV Parque Lage, Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Rio de Janeiro, 2018).

 

Trecho de Cacos vermelhos
Por Raphael Fonseca

“Ao observar as pinturas recentes de Márcia Falcão, um elemento talvez chame a atenção do espectador: o chão onde essas narrativas se desenrolam costumam ser vermelhos e fragmentados, como se víssemos a representação de uma sucessão de cacos. De certa maneira, sim, essas pinturas simulam chãos muito comuns no “subúrbio carioca” – precisamente no bairro onde a artista foi criada, Irajá. Esse elemento arquitetônico, porém, não é algo encontrado apenas ali, mas em todo o Brasil – da São Paulo dos anos 1940 à chamada arquitetura raio-que-o-parta em Belém do Pará. A pintura desenvolvida pela artista se movimenta da mesma forma – entre o que poderia ser visto como particular e local, e uma esfera mais ampla que convida a muitas reflexões.

As muitas invasões que já aconteceram no Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, são o ponto de partida para a pintura de escala monumental, peça central da primeira exposição individual da artista. Aqui, no emaranhado de pinceladas rápidas que dão a matéria das montanhas e de algumas figuras na base da pintura, uma série de elementos se destaca – um helicóptero, o bondinho, uma bandeira vermelha e uma bandeira do Brasil, que surge como em um fantasma da “Liberdade guiando o povo” (1830), de Delacroix. Em destaque, a figura de uma mulher que, com expressão melancólica, fita o espectador – ela é negra, tem um corpo curvilíneo e sobre a sua cabeça há um esplendor de Carnaval em cores verde-e-amarelas.

A “mulher brasileira” tão sexualizada, objetificada e estereotipada por centenas de autores nas artes visuais e na cultura de massa, não se encontra sambando e cheia de purpurina ao som de “Lá vou eu, lá vou eu / hoje a festa é na avenida”. A pesquisa de Márcia Falcão parece nos lembrar da constante tensão entre prazer e violência, entre a festa que se dá na avenida e a violência que acomete tantas mulheres ao seu redor. Longe de apontar dedos, são imagens que corporificam contradições do estar viva no Rio de Janeiro, no Brasil e em qualquer lugar do mundo.”

 

A Fortes D'Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual da artista Márcia Falcão, na Carpintaria

 

A Fortes D'Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual da artista Márcia Falcão, na Carpintaria

 

A Fortes D'Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual da artista Márcia Falcão, na Carpintaria

 

A Fortes D'Aloia & Gabriel exibe a primeira exposição individual da artista Márcia Falcão, na Carpintaria

 

 

Márcia Falcão
06 de novembro a 29 de janeiro de 2022
Carpintaria: Rua Jardim Botânico, 971. Rio de Janeiro, Brasil
Visitação: Terça – Sexta: 10h – 19h | Sábados: 10h – 18h
Tel: +55 21 3875 5554